sexta-feira, 4 de outubro de 2013

As Três Jóias do Budismo


Tomo refúgio em Buda, aquele que me mostra o caminho nesta vida. 
Tomo refúgio no Dharma, que é o caminho da compreensão e do amor.
Tomo refúgio na Sangha, a comunidade de plena consciência e harmonia.

      As pessoas buscam na religião um ponto de apoio para nortearem suas vidas. Na religião cristã, por exemplo, o ponto de apoio é Deus, que é Uno em três pessoas: Pai, Filho (Jesus) e Espírito Santo. Para nós budistas, encontramos nosso ponto de apoio nas chamadas Três Jóias (ou Três Tesouros ou Três Refúgios).
   O Buda (o Desperto), o Dharma (a Lei ou a Doutrina) e a Sangha (a Comunidade dos Discípulos/seguidores). É se apoiando nas Três Jóias que nós budistas alcançamos a energia e disposição para mudar o que pode ser modificado, conseguimos a coragem e a serenidade para aceitar o que não pode ser alterado, e obtemos o discernimento para distinguir uma coisa da outra.
     Segundo Thay, na tradição budista praticamos estes Três Refúgios. Onde buscar/tomar refúgio é o reconhecimento e a determinação em se dirigir para o que é mais bonito, verdadeiro, pleno e bom. Tomar refúgio é também a consciência que se possui, a capacidade de entendimento e do amor.

  Buda é a pessoa histórica que viveu 2600 anos atrás e todos os nossos professores ancestrais que nos conectam ao estado de Buda. É o homem desperto ou iluminado que tomou plena consciência do significado da vida e do caminho que liberta o ser humano do sofrimento. Buda é aquele que nos mostra o caminho nesta vida.  Buda é também a natureza desperta em todos os seres. Cada elemento no universo que está nos mostrando o caminho do amor e do entendimento, é natureza Buda. Os olhos abertos de uma criança e os raios de sol que fazem com que a flor abra sua beleza, também contém a natureza desperta de Buda. Nós budistas tomamos refúgio no Buda por ser ele o Sábio, o Conhecedor de tudo, aquele que com sua Compaixão indica-nos o caminho que o aliviará da angústia e do sofrimento.

O Dharma é a Doutrina, pregada pelo Buda, que expõe a Lei Suprema que fundamenta e rege toda a existência e que, quando compreendida e assimilada, liberta o homem do sofrimento e lhe proporciona a mais profunda e inquebrantável paz de espírito. Nós budistas tomamos refúgio no Dharma, assumindo o compromisso de ouvi-lo com constância e assiduidade, porque ele ilumina nossa existência, dissipando as trevas da ignorância, nos faz tomar consciência de nosso egoísmo e de nossas limitações, e nos conduz à salvação. É o Dharma que nos ensina que todas as coisas são impermanentes, dolorosas em sua transitoriedade, e desprovidos de substância própria, em sua mútua interdependência das coisas. É o Dharma que nos esclarece sobre a existência do sofrimento inerente ao nascimento, à doença, à velhice e à morte, sobre a ignorância, a cólera e o egoísmo, que são as causas do sofrimento, bem como sobre a possibilidade de se superar o sofrimento, através do Óctuplo Caminho que leva a essa superação: a visão correta, o pensamento correto, a palavra correta, a ação correta, a vida correta, o esforço correto, a intenção correta e a concentração correta. O Dharma, são todos os elementos no nosso mundo e na nossa consciência que nos guiam no caminho da liberação. O Dharma vivo é contido em cada canto do universo. Uma nuvem flutuando está silenciosamente pregando sobre liberação. É a folha caindo nos mostra a prática de "deixar ir". Cada vez que eu e você respiramos profundamente, andamos em plena consciência e olhamos outra pessoa com olhos de entendimento e compaixão, estamos dando um silencioso ensinamento do Dharma.

A Sangha é a Comunidade formada pelos fiéis discípulos do Buda, que vivem no seio da sociedade maior, em harmonia e fraternidade, respeitando a Vida, em todas suas manifestações, sempre assíduos em ouvir o Dharma e sempre prontos para transmitir sua fé aos demais. Nós budistas, tomamos refúgio na Sangha porque ela é a legítima sociedade fraterna formada pelos que trilham o Caminho da Sabedoria e Compaixão ensinado pelo Buda Desperto. Desta forma, Sangha é a comunidade que vive em harmonia e consciência. Seus professores, seus amigos e você mesmo são elementos da sua própria Sangha. Um caminho na floresta pode significar um membro de sua Sangha, apoiando-o no caminho da transformação. Na Sangha podemos compartilhar nossas alegrias e dificuldades. Podemos nos deixar ir e relaxarmos no calor e na força de nossa Sangha. A Sangha é o rio, fluindo e serpenteando com flexibilidade, respondendo ao ambiente em que está localizada. Ao tomarmos refúgio na Sangha, nos juntamos à corrente da vida, fluindo e nos tornando Unos com todos os nossos irmãos e irmãs na prática.
. . .

  "Tomar refúgio no Buda significa reconhecer a semente da iluminação que está dentro de nós mesmos, a possibilidade de libertação. Também significa tomar refúgio naquelas qualidades que o Buda corporifica; qualidades como destemor, amor e compaixão. Tomar refúgio no Dharma significa se abrigar na lei, no modo como as coisas são. É reconhecer nossa submissão à verdade, permitindo que o Dharma se desdobre dentro de nós. Tomar refúgio na Sangha significa aceitar o suporte da comunidade, de todos nós ajudando uns aos outros em direção à iluminação e à liberdade"


Namastê!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário